Adoção

25 maio 2012 |

 Imagem

Dia 25 de maio - Dia Nacional da Adoção.

Este post faz parte da Blogagem Coletiva proposta pela Dani Pivatelli do blog Versos etc.  

Com certeza, nesta BC Adoção e em muitas outras postagens no dia de hoje, poderemos ler histórias comoventes e com final feliz, mas então, minha abordagem será um pouco diferente das demais postagens sobre adoção.

Quero esclarecer os que estão interessados em adotar uma criança e não sabem por onde começar.

Aproveito para ir contra à ideia que no Brasil "adotar uma criança é muito difícil" ou "tem muita burocracia".

Há burocracia? 
Há sim, porém ela é necessária, pois só assim para se fazer uma boa análise da(s) pessoa(s) interessada(s) em adotar.

Na prática o que torna esse processo difícil e demorado são as opções colocadas no cadastro para adoção.
Vou explicar: no Brasil, está comprovado ,estatisticamente, que os casais preenchem este cadastro deixando bem claro que querem uma criança de até 3 anos, branca, do sexo feminino e sem irmãos.
Assim fica difícil, né?
E ai, quem está sendo difícil e burocrático? A Justiça ou o casal?
Ah, escrevi casal, mas estou sendo legalmente incorreta, pois para adotar não importa o estado civil, podendo ser, inclusive uma pessoa sozinha, ok?

Mas, quem pode adotar?
Homens e mulheres, maiores de 18 anos, desde que sejam 16 anos mais velhos que o adotado e tenham um bom ambiente familiar.
Podem ter condição financeira modesta, mas estáveis sócio e economicamente.

Passo a passo para dar início ao processo de adoção:

  • se dirigir à Vara da Infância e Juventude mais próxima, que geralmente fica no prédio principal do Fórum da sua cidade. É de graça e não precisa de advogado.
  • documentos necessários: RG, CPF, comprovante de residência, cópia autenticada da certidão de nascimento ou casamento, cópia do comprovante de renda mensal, atestado de sanidade física e mental (um médico irá atestar) e atestado de idoneidade moral assinado por duas testemunhas com firma reconhecida e atestado de antecedentes criminais.
  • Posteriormente serão encaminhados ao Setor Técnico para entrevista com       a Psicóloga e Assistente Social, para serem avaliados.
  • Será elaborado um parecer técnico que será analisado pelo Ministério Público e depois, encaminhado ao Juiz de Direito, que vai decidir se o casal (ou a pessoa) está habilitado para adoção.

O processo todo pode demorar mais ou menos tempo dependendo do perfil da criança colocado no cadastro.

Quanto mais exigências, maior tempo na fila para adoção.




Quando a gente fala sobre adoção sempre vem à nossa mente um assunto recorrente nos meios de comunicação: o abandono de recém-nascidos.
Acredito que isto ainda acontece por pura falta de informação por parte das mães que abandonam seus filhos.
Essa mesma mídia que a-do-ra noticiar esse tipo de atitude, poderia ser muito mais útil se também informasse para a maioria da população que é muito simples dar um filho em adoção e ressaltar que isto não é crime.
Abandonar uma criança é que é crime, de abandono de incapaz ou até tentativa de homicídio.

O que uma mãe deve fazer se pretende dar o filho para adoção?

  • procurar a Vara da Infância ou o Ministério Público e informar sua decisão de dar a criança para adoção ou
  • na própria maternidade informar à equipe do hospital sobre sua decisão, eles entrarão em contato com a Vara da Infância e a criança será levada a um Abrigo
Depois, esta mãe será chamada perante o Juiz, aí, basta ela confirmar sua decisão. 
Com esta atitude a criança estará nos braços de uma nova família num curtíssimo espaço de tempo.

Veja a Lei de Adoção AQUI.
Há algum tempo fiz um post sobre adoção, clique AQUI para ler. 

Espero ter sido clara.
Apesar de não conhecer casos de adoção na minha família, eu tenho muitos amigos e conhecidos que adotaram ou são adotados, são histórias lindas de muito amor, dedicação e com final feliz. 
São famílias que esfrentam problemas como qualquer outra, pois todo filho dá trabalho, adotivo ou natural, mas, é aí que está o grande desafio e que torna tudo mais emocionante e compensador.


Bjs♥

20 comentários:

Helena Garcia disse...

Amiga querida...
Tenho uma filha do coração e posso dizer que é uma bênção na nossa vida, mas é um processo dificil, passei por várias situações com ela e com pessoas que me abalaram momentaneamente, mas digo sempre que VALEU A PENA !! Tenho muito orgulho da Camila e agradeço a Deus todos os dias por este presente!

Beijos, querida eum ótimo fim de semana
Helena
www.diaadiacorridinho.com.br

Eve disse...

Acho que essa coisa de burocracia é necessária sim, até o ponto de investigar se os interessados tem condições para criar uma criança.
Mas a demora acontece sim, e não é somente para quem escolhe crianças pequenas, brancas e etc.
Tenho uma amiga que é branca, mas o marido é negro, e eles estão na fila da adoção há 4 anos, pediram uma criança negra, não escolheram o sexo, e ela prefere uma criança maiorzinha com mais de 2 anos, porque ela tem problema na coluna e acha mais dificil cuidar de um bebê. Mas mesmo assim, estão na fila ainda...
Isso de demorar porque escolhe muito não é verdade. Demora por outros motivos, entre eles a falta de vontade dos funcionários públicos...

Dani Pivatelli disse...

Adorei seu psot! Mt esclarecedor!!

Tb adorei o comentário da Helena!

Já estou atualizando com o seu link.

Bjs

Telma Maciel disse...

Ah, Neli... o processo, se vc pensar, é simples mesmo. Acho que falta alguma coisa aí nesse meio... tem gente querendo adotar há mtos anos e não consegue! Como a Eve comentou msm.
Acho q, infelizmente, o Brasil não dá tanta importância a esse fato e não tem um cadastro decente dessas crianças para acelerar os processos.
E concordo com vc, q deveria msm ser divulgado que entregar o filho para adoção naõ é crime! Já vi filmes em que esse processo acontece ali mesmo, no hospital. Aquelas mães que saem do hospital e já jogam o bebê na lixeira do próprio hospital... telvez se tivessem oportunidade, deixariam o bebê ali, sob cuidados médicos e com possibilidades de ser alimentada até encontrar um abrigo ou lar adotivo.
Ainda temos mto o que melhorar nesse ponto!
Mas, sim, seu post foi mto bom em termos de ajudar a quem tem interesse!
Bjs

Anna Rachel disse...

Neli, esse seu post mega esclarecedor vem num momento muito propício para mim; pois meu tratamento não está surtindo mto efeito e para o ano, caso a inseminação não dê certo, partirei para a adoção.
A vontade de ser mãe está cada vez mais latente e assim qto mais aprendo e descubro, mas desejo meu filhote.
Obrigada pelas dicas e em fim de semana divino para tds nós. ;D

Adelaide Araçai disse...

Bem esclarecedor seu post. Realmente hoje está mais fácil, aja visto que basta a pessoa declarar o seu desejo. Também vejo como dificuldade, o exagero de exigencia por parte de alguns candidatos a pais....
Abraços

Eunice Maria disse...

Oi, Nely! Muito claras as suas informações. Realmente tem gente que não sabe por onde começar para adotar uma criança. E têm muitas esperando pelo amor e carinho de uma família. Parabéns pela postagem. Estou participando da sua blogagem costurinhas com uma pulseira (ou bracelete) toda costurada a mão. Beijinho e ótimo fim de semana. Eunice Maria.

http://efacilserfelizartesanais.blogspot.com/
efacilserfeliz.artesanais@gmail.com

Lu disse...

Oi Neli,boa noite!!
Adorei a postagem,a ideia da blogagem coletiva foi maravilhosa,divulgar e ter informações corretas é muito bom.
Eu penso que eles estão super correto no rigor e na analise da pessoa que quer adotar porque bem se diz "quem vê cara não vê coração"
Parabéns pela postagem.
Beijo Lu

Luma Rosa disse...

Oi, Neli!
Muito bom você ter colocado o porque das dificuldades em se adotar uma criança. Adotar um filho não é como adotar um animal de estimação, quando se escolhe raça, cor... o envolvimento emocional dos pais, em geral, começa antes. Os pais precisam dialogar muito! A criança tem que ser muito bem-vinda. Longe das vaidades e carências!
Também estou na coletiva. Me desculpe o adiantado da hora, mas somente agora a pouco cheguei em casa e poder prestigiar a coletiva!
Beijus,

Maitê Rodrigues disse...

Oi, Neli!! Você, como sempre, muito didática. Tudo bem explicadinho. Realmente, adoção é um ato de amor; até mesmo o filho natural deve ser "adotado" no coração dos pais pra que ele possa receber todo o amor que uma criança merece e deve ter... O mundo seria bem melhor se houvesse mais amor. Que Deus possa abençoar a todos que adotam e que essas crianças tenham a segurança emocional que precisam. Bjs. Maitê Rodrigues - www.ateliedamaite.blogspot.com

botão de chocolate disse...

Muito legal a postagem e um assunto muito serio que fala de vidas fala de amor.Beijoo grande Neli.

Alê disse...

Oi Neli, obrigada pelo carinho!!!! Muito bom seu post, espero que mais pessoas leiam e se informem.
Bjo grande,


Alê

Alessandra ( Realizando Sonhos...) disse...

Amei seu post, eu sonho em adotar um menino pois tenho só uma filha de 11 anos, e não posso mais engravidar.

Sonho em ser mãe de um menino!

Beijão,

Alessandra Soares

Realizando Sonhos...

Adriana disse...

TENHO MUITOS ALUNOS QUE SÃO ADOTIVOS, SÃO CRIANÇAS MUITO QUERIDAS!!! UM DIA FIZ UMA ATIVIDADE COM A TURMA E HAVIA UMA FOTO DE DOIS MORADORES DE RUA... UM ALUNO , QUE FOI ADOTADO ESCREVEU: "ERA EU NO PASSADO..." ... QUE BOM QUE ALGUMAS CRIANÇAS TÊM ESSA CHANCE, NÉ??

BEIJOSSSSSSSSSSS

Liliane Blog Sonhar e Ser disse...

oi Neli.......
menina, hoje você me salvou... acredita?
rs
precisei fazer batata frita e lembrei na hora de vc.
corri aqui, claro.
rs

quanto ao tema adoção.
eu vivi de perto esta situação.
sou adotada e muito próximo a mim presenciei a dificuldade de alguns amigos ao adotar um bebê.
existe sim muita demora, como tudo neste país.
meu pai... em plena era da informação, ainda é tudo muito devagar.
mas o que vc descreve das ditas preferências é fato!
Um fato escandalosamente triste porque eu fico pensando: tem jeito da gente definir o filho que geramos? (se fizermos isto de forma natural)

e então as pessoas parecem que vão adotar um filho como se fossem pegar um bichinho, um objeto.

Isso é revoltante se levarmos em conta a dignidade da vida e do ser humano.

Como você mesma disse filho dá trabalho, sendo adotado ou não.
O problema é que uma criança adotada precisa de muiiiiiito mais atenção para a parte emocional do que a gente precisa...
Te garanto Neli, não é fácil ser adotado, principalmente se a família adotante não for ajustada.

Muito boa sua participação.
boa mesmo.
aproveito a oportunidade pra deixar um abraço com muito carinho pra vc.

Lia Gloria disse...

Cert Neli, eu também não engrosso o coro de que no Brasil é muito difícil adotar. Faz-se relmente necessário essa triagem.
Eu tenho um irmão adotivo que é melhor irmão do mundo, melhor filho, melhor pai e esposo. Sei a diferença que nós fizemos na vida dele e ele é imensamente grato, demonstrando o amor incondicional que tem por todos nós.

bjs

Dri disse...

Neli gostei muito do post ainda irei adotar uma criança um dia...Penso muito nisso mesmo porque não tenhos filhotes ainda mas tb nunca fui atras pra ver o motivo mas tá na mãe de Deus ele sabe!Mas quem sabe um dia né?!Um beijo pra vc lindona!

Calma que estou com pressa! disse...

oi Neli
também cocordo contigo - as pessoas que querem adotar - chegam cheia de exigencias, não é loja - estaos falando de uma criança ou mais qeu uma - conheço várias pessoas que adotaram facilmente por não exigerem tanto -
super bem explicaod teu post - e deveria haver mais adoções - tantas crianças precisando de uma familia -
bj
lu

Claudiene M.A. Finotti disse...

Oi Neli!

Eu concordo em parte com o que você disse. Os casais são exigentes na hora de adotar sim e isso trava um pouco a fila para eles mesmos.

Mas acho a justiça lenta em alguns pontos, quando a vara da infância demora a fazer andar processos de destituição ou a localizar parentes da criança para fazer a "empurroterapia". Na verdade uma família que sequer visita o abrigo nem deveria ter direito a ficar com a criança, principalmente quando é um bebê que tem mil casais querendo adotar e dar amor e condição material.

Já vi bebê ficar quase um ano no abrigo e depois disso entregarem pra uma tia distante em outro estado, que sequer tinha tido a curiosidade de ver o bebê.

A lei muda, mas na prática as varas estão lotadas e muitos casos não tem o cuidado que merecem pra ser analisados.

Quanto à adoção tardia... ahhh, coisinha complicadinha de se discutir, né? rs rs rs


Beijos.

Clau

*não que eu seja contra adoção tardia, muito pelo contrário, vc sabe....

Fernanda de Oliveira disse...

hahaha somos praticamente gêmulas! tb tô com um post no forno sobre samambaias, sabe que adoro, né?

as suas estão lindas, como sempre!

 
Caprichos by Neli © - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por Onze Web.